Nossa História

No ano de 2001, a ONU instituiu o Ano Internacional do Voluntário com adesão de 123 países. A iniciativa pretendia reconhecer e incentivar o trabalho dos voluntários, aqueles que doam seu tempo e talento aos que precisam de ajuda, estimulando outras pessoas a fazerem o mesmo.

No Brasil foi constituído o Comitê para o Ano Internacional do Voluntário, presidido por Milú Villela e formado por nomes de expressão na participação e liderança social.

Este comitê elaborou um calendário temático para contribuir com a visibilidade das iniciativas voluntárias: durante cada um dos meses do ano foi dado um destaque especial às áreas de Cultura e Artes; Terceira Idade; Esporte e Lazer; Saúde; Educação; Meio Ambiente; Protagonismo Juvenil; Portadores de Deficiência; Defesa de Direitos; Infância; Solidariedade e Cidadania.

Para desempenhar tal papel, o Comitê se apoiou em três grandes ações estratégicas: uso intensivo de mídia, eventos e a criação do Faça Parte – Instituto Brasil Voluntário. A organização social, naquele momento, tinha a função de gerir as atividades, os recursos e os eventos do Ano Internacional do Voluntário.

Com atuação forte e continuada, o Faça Parte cresceu, ganhou espaço, grande destaque na mídia, e contribuiu para que pelo menos 20 milhões de pessoas se mobilizassem para a ação voluntária.

O Brasil, segundo a ONU, foi o país que mais se destacou na área do voluntariado, demonstrando que a participação social é um talento natural do povo brasileiro.

O sucesso das ações motivou a continuidade do trabalho, mas desta vez com apenas um foco: a juventude. A nova fase veio, em 2002, com o projeto Faça Parte – Jovem Voluntário, Escola Solidária. Um programa que surgiu como conseqüência natural das ações iniciadas no ano anterior e que buscava estimular projetos de voluntariado nas escolas. Daí em diante, novos projetos e ações a cada ano.