Biblioteca

LEIS

Resolução SE 143, de 29/8/2002, sobre trabalho voluntário no histórico escolar
O Secretário de Estado da Educação de São Paulo considerando a necessidade de:

– valorizar as experiências de relevante caráter social desenvolvidas pelas equipes das escolas estaduais sob a forma de projetos curriculares específicos;

– estimular e reconhecer as ações de protagonismo e de voluntariado vivenciadas pelos jovens estudantes sob orientação das equipes escolares;

– incorporar no itinerário escolar desses jovens informações indicativas das experiências vivenciadas mediante o registro nos respectivos documentos escolares, resolve:

Artigo Primeiro – As atividades de protagonismo e de voluntariado vivenciadas por jovens estudantes, sob a forma de ações ou projetos específicos, planejados e desenvolvidos articuladamente à proposta pedagógica da escola, serão objeto de registro nos documentos de vida escolar daqueles alunos que opcionalmente tenham participado, na conformidade do contido na presente Resolução.

Artigo Segundo – O registro da natureza das atividades a que se refere o artigo anterior, quer direcionadas a práticas sociais, quer à preparação para o trabalho, deverá conter informações sobre o tipo de atividade desenvolvida e o índice de freqüência obtido pelo aluno e constar, como de enriquecimento curricular, em campo específico, no respectivo histórico escolar.

Parágrafo único – Observada a natureza da ação ou do projeto, em especial quando a atividade desenvolvida pelo aluno pode vir a se constituir em um elemento promotor de sua futura atuação na vida social ou no mundo do trabalho, a escola poderá comprovar a experiência adquirida mediante certificação específica da ação ou do trabalho voluntário realizado pelo aluno, com especificações que explicitem o tipo da atividade executada e a carga horária cumprida.

Artigo Terceiro – Caberá às Diretorias de Ensino orientar, apoiar e acompanhar junto às unidades escolares o cumprimento do disposto na presente resolução.

Artigo 4º – Esta resolução entrará em vigor na data de sua publicação.

29 de agosto de 2002

PUBLICAÇÕES

Conheça e baixe os livros do Instituto Faça Parte

Guia de Reportagem – Jovem Protagonista
Aqui você encontrará conceitos e o porquê utilizar as ferramentas da comunicação a favor da educação. Vamos percorrer o caminho da educação, da comunicação, do Voluntariado Educativo e da reportagem.

Voluntariado Educativo – Uma Tecnologia Social
Voltada para educadores, estudantes e pessoas interessadas por educação, é uma publicação com três objetivos: apresentar o conceito de voluntariado educativo como uma tecnologia social, apresentar a metodologia de projeto de voluntariado educativo e compartilhar experiências exitosas vivenciadas por escolas de todo o Brasil.

Conheça também a versão em espanhol do livro.

Casos e Contos: Viagem por um Brasil solidário (vol.2)
Segundo volume da série que reúne experiências escolares de voluntariado educativo bem desenhadas, com diagnósticos claros e intencionalidade pedagógica. Destinado a qualquer pessoa que se interesse por educação e, especialmente, a gestores escolares, o livro visa abrir caminho para novas idéias e novos projetos. Prefácio de Celso Antunes.

8 dicas de voluntariado
Apresenta dicas de voluntariado que podem contribuir para que o nosso país alcance os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, da ONU. É uma forma de fazermos a nossa parte, de mudarmos a nossa realidade e a das pessoas que estão à nossa volta e, assim, mudarmos o mundo.

Casos e Contos – Viagem por um Brasil Solidário
Apresentado pelo educador Antonio Carlos Gomes da Costa, reúne cem experiências de voluntariado educativo ganhadoras do Selo Escola Solidária 2003 que mostram como o processo de ensino-aprendizagem baseado nas reais necessidades e interesses da comunidade escolar complementa os conteúdos curriculares e favorece o desenvolvimento cognitivo e social do educando.

Construindo um Projeto de Voluntariado
Guia desenvolvido para auxiliar professores e alunos na elaboração de projetos de voluntariado educativo. Útil também para pessoas que desejam montar projetos sociais fora da escola.

Acabar com a fome e a miséria – 8 Jeitos de mudar o mundo
Comer é a mais básica das necessidades humanas. Não por acaso o primeiro dos oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, da ONU, é Acabar com a Fome e a Miséria. O propósito deste livro é mostrar que todos podem fazer algo transformador, duradouro e sustentável para ajudar a diminuir a pobreza e a fome.

8 Jeitos de Mudar o Mundo na escola
A publicação apresenta algumas dicas de como pôr em prática nas escolas os 8 Jeitos de Mudar o Mundo, isto é, os objetivos de desenvolvimento estipulados pela ONU como forma de melhorar a qualidade de vida das pessoas em todos os países.

Voluntariado educativo
Determinação, persistência, paixão e entusiasmo são marcas da juventude. Nesse livro, Adair Aparecida Sberga afirma que, se incentivarmos os jovens a usar sua força a serviço de causas sociais, eles poderão não só aprender a ser mais competentes e seguros, como também ajudar a construir um mundo mais solidário, humano e fraterno.

Jovem voluntário, escola solidária
Convida alunos e educadores a se envolverem em projetos de voluntariado, em um resultado pedagogicamente rico e socialmente necessário. A idéia é estimular, sugerir, orientar a ação direta do jovem sobre o meio em que está inserido.

Revolição – A revolução da vontade
Revolição, de Antônio Carlos Gomes da Costa, não propõe uma revolução, mas uma mobilização que parta da vontade de cada indivíduo de melhorar o Brasil. O que se faz desejável é que a cultura do voluntariado se instale de vez em nosso cotidiano como forma de melhorar a realidade. A escola solidária pode dar início a essa “revolição”.

Educação com afetividade
Ivan Roberto Capelatto aborda aqui a importância da afetividade nas relações entre os indivíduos. Uma vivência afetiva entre professores, alunos e pais dá ao sujeito a oportunidade de aprender a cuidar de si mesmo, das pessoas ao seu redor, da sua cidade e do seu país.

Fome zero, educação dez – Como os voluntários podem fazer parte do programa Fome Zero
Cartilha elaborada por Nísia Werneck para informar e orientar o caminho daqueles que querem dar sua colaboração nesse movimento de resgate da cidadania de milhões de pessoas em todo o Brasil.